Deputado Federal Luiz Antônio

Blog

01 mar 2019

Entrevista: Deputado Luiz Antônio fala sobre a reforma da Previdência

Em entrevista aos jornais da região Sul Fluminense, Deputado Luiz Antônio comenta a Reforma da Previdência.

Em entrevista aos jornais da região Sul Fluminense, Deputado Luiz Antônio comenta a Reforma da Previdência.

1) O Governo Federal e especialistas vêm afirmando que a reforma da Previdência é necessária para resolver um problema que vem se agravando e que, em pouco tempo, vai estourar. Você concorda com essa afirmação ou não? Por quê?

 

Acredito que estamos em um ponto que a questão não é mais de discordar ou concordar e sim de como fazer, ser justo e preservar os mais vulneráveis. As reformas básicas do país estão há muito tempo sendo adiadas.

 

2) Sobre o atual projeto enviado pelo Governo, você é contra ou a favor? Por que?

 

Tenho discordâncias sérias. Principalmente em relação a aposentadoria rural e o Benefício de Prestação Continuada, o BPC. O cenário está muito confuso. Acredito que muitos pontos vão mudar no Plenário.

 

3) Caso seja favorável, quais seriam os aspectos mais importantes, do ponto de vista positivo, que você destacaria? Há, na sua opinião, algum ponto negativo na proposta e que necessitaria ser alterado ou complementado?

 

Como dito anteriormente, acredito que devam rever a aposentadoria rural e o BPC, qualquer reforma previdenciária deve ter como princípios maiores a proteção aos mais pobres e mais vulneráveis. Outro ponto sobre o qual tenho resistência é o regime de capitalização. Tenho dúvidas sobre essa questão.

 

4) Como você avalia a reforma da Previdência na vida do servidor público?

 

Defendo que se temos que mexer, vamos preservar os mais vulneráveis. É verdade que o servidor público paga uma maior contribuição, mas possuem melhor remuneração. A aposentadoria média de um funcionário do Congresso Nacional é quase 28 vezes maior que a de um trabalhador rural. A Justiça também é um problema. Há uma casta de privilégios que precisam ser combatidos.

 

5) E os impactos da reforma da Previdência nos servidores públicos vinculados a regimes próprios de previdência?

 

São casos mais específicos, a Petrobras tem o Petros e Furnas tem o Real Grandeza, por exemplo. São características e casos próprios, onde os servidores devem debater com a direção dos fundos de pensão.

 

6) Sua avaliação também na vida dos trabalhadores da iniciativa privada? E dos trabalhadores rurais?

 

A medida é impopular e isso é inegável. A população vai trabalhar mais para ganhar menos. Mas hoje o país gasta três vezes mais na Previdência do que na educação, como eu disse, essa reforma demorou muito a ser discutida. 

 

Quanto ao trabalhador rural, desde o início me coloquei contra. Sou filho de administrador de fazenda. A vida no campo é dura, não se pode comparar. Além disso, o trabalhador rural, muitas vezes, tem menor acesso à saúde e outros benefícios públicos, por isso deve ser olhado com mais carinho.

 

7) Qual ou quais alternativa(as) você apontaria para os tópicos mais importantes da proposta, que considera negativos? O que essa proposta não traz e deveria trazer?

 

Acredito que não se deva mexer na aposentadoria rural e no BPC, já que alteração desses itens não impactará a meta de economia de R$ 1 trilhão em dez anos, almejada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e preservará os mais vulneráveis. 

 

Creio também que a proposta de Reforma peca por não ter regras sobre capitalização mais claras e não ter metas sobre cobranças dos grandes CNPJs devedores, embora acredite na palavra do ministro que irá atrás dessas empresas.

 

8) Você acredita que falta - ou não falta - um debate mais aberto do tema com a sociedade brasileira?

 

Com certeza! A Reforma da Previdência está acima de questões ideológicas. É algo necessário para o futuro do país. É preciso transparência e debate e os cidadãos devem estar atentos aos seus representantes.

 

9) O aposentado ou pensionista, que já teriam seu direito adquirido, serão afetados por essa proposta?

 

Depende. Quem está aposentado não pode ter o benefício alterado, nem reduzido, porque é direito adquirido, mas ninguém está livre de ter que contribuir para o INSS.

 

Quem pensa em acumular mais de um benefício tem que ficar atento, da mesma forma que o servidor público que ganha mais que o teto do INSS, porque ele pode ser tributado.

 

Recomendo a quem está se aposentando a correr atrás da revisão do valor do benefício. Há muita gente que recebe menos do que deveria estar. Eles devem analisar o processo que deu origem ao benefício para ver se tem algum erro.

 

Toda reforma é uma "guerra", onde "batalhas" são travadas ponto a ponto. Há muitos interesses envolvidos e será impossível agradar a todos. 

 

Nós temos um país injusto e desigual e lutar para reduzir essas diferenças é fundamental. Acho importante todos se informarem sobre esse momento do Brasil.

Fonte: Assessoria de Comunicação / Deputado Luiz Antônio Corrêa

Voltar

Leia também

  • Entrevista: Deputado Luiz Antônio Corrêa fala sobre crescimento de Valença e área do Exército

    "Sempre pensei que Valença devia crescer em direção à Estrada da Passagem por questões de infraestrutura. A cidade deve se desenvolver sempre próxima ao seu centro, porque ali estão os serviços básicos." diz o deputado

    Leia mais
  • Revisão do pacto federativo: vamos dividir o bolo de forma mais justa

    Deputado Federal Luiz Antônio Correa propõe um novo pacto federativo

    Leia mais

O federal do interior e da capital

Deputado Federal Luiz Antônio

Luiz Antônio Corrêa é deputado federal pelo Estado do Rio de Janeiro, eleito para a 56ª legislatura (2019-2023). Obteve votação em todos os municípios do Estado do Rio e em sua atividade como parlamentar privilegia o contato com as bases do interior do Estado e da Capital. Nascido em Botafogo, no Rio, Luiz Antônio foi criado e viveu quase toda sua vida no Sul Fluminense.

Começou a carreira política muito jovem, elegendo-se em 1972 prefeito da cidade de Valença-RJ. Além de prefeito de Valença por duas ocasiões, exerceu mandato de deputado estadual por duas legislaturas, em 1978-1982 e 1982-1986. Como administrador público, atuou também na Secretaria de Habitação do Estado do Rio de Janeiro, no Programa Especial de Saúde Familiar, ambos no Governo de Leonel Brizola. Foi subsecretário na Secretaria Municipal de Habitação do Rio de Janeiro.

Deputado Federal Luiz Antônio

"Minha experiência como administrador público me fez conhecer de perto os desafios que os municípios enfrentam e os problemas sofridos pela população no seu dia a dia. O objetivo do meu mandato como deputado federal é criar 'pontes' e não construir 'muros'. Devemos nos esforçar para que as políticas públicas e as soluções cheguem efetivamente àqueles que precisam."

Entre em contato